18 de nov de 2009

Histórias que Salvam!

O MISSIONÁRIO CONTADOR DE HISTÓRIAS

“O Vento, as árvores, a atmosfera eram controlados pelo poder da Palavra. Mas a Palavra não era algo que se pudesse ver. Era uma força que permitia que uma coisa criasse outra.”   (parte do mito Wapangwa -Tanzânia- da Criação)
                                                                                                   (FORD 1999:177)

Tive o privilégio de ser criado por uma das maiores contadoras de histórias que conheci.   Minha mãe, Márcia Venturini de Souza.  Ela não apenas contava histórias, ela as tornava vivas na minha imaginação. Cada inflexão, gesto, mudança de ritmo, alteração de voz, cada pormenor serviam para dar cor, textura e mesmo paladar e perfume às histórias. 

Recordo-me que no culto infantil da Primeira Igreja Batista de Nova Iguaçu, mamãe sempre começava  dirigindo-se aos adultos e pedindo que fizessem de conta que eram crianças.  Achava divertido o pedido, mas era na verdade desnecessário, pois qualquer pessoa que a ouvisse contar histórias tornava-se criança na hora, e com todo gosto!

 Lembro-me ainda de a ver contando histórias a rudes pescadores da aldeia de São Mateusnos Açores em Portugal. Aqueles homens curtidos pelas tempestades do Atlântico Norte terminavam os episódios com lágrimas nos olhos.

Uma boa história rompe barreiras, ganha corações, é universal.

Vivendo no contexto de Missões em África, aprendi que a habilidade de minha mãe era uma das mais valiosas para os missionários.  Na grande maioria dos casos, o evangelista terá muita dificuldade em pregar um sermão ou passar os famosos três pontos da homilética anglo-saxônica.  Mas, se souber contar e aplicar bem uma história, estará garantido.  Qualquer auditório pode ser ganho e elucidado se o orador for um bom narrador de casos e é por isso que vejo o missionário (e porque não dizer o pastor) como um contador de histórias. Nessa arte, creio que o missionário deve se desenvolver em três caminhos principais que passaremos a considerar.

Trabalharemos o contexto Africano que é o que conhecemos melhor, mas na perspectiva que as verdades expressas sobre os povos africanos podem ser extrapoladas para outras partes do planeta.

O primeiro caminho a ser seguido pelo missionário contador de histórias é o do garimpo de histórias tradicionais que servem para comunicar o evangelho. Um estudo cuidadoso providenciará muito material de valor. Quase todas as etnias do mundo têm histórias da criação do mundo e do homem, algumas com expressões surpreendentes como a citada no inicio deste artigo.

Também interessante é notar que muitos desses chamados mitos, falam de algo que o homem fez que afastou Deus de seu convívio. Para os Mende (Serra Leoa) Deus se foi porque ficou cansado dos pedidos constantes do homem. Os Ashanti (Gana) dizem que Deus foi embora porque a mulher o incomodava batendo com seu pau de pilar na sola de seus pés. Os Banyarwanda (Ruanda) crêem que Deus ia acabar com a Morte, mas enquanto Deus a caçava houve uma mulher idosa que se apiedou dela e a escondeu. Deus se irou com isso e deixou o homem ficar com a morte. Já os Bambuti (Congo) dizem que o pecado original foi a curiosidade da mulher que queria ver o homem. Ela levava água até a cabana de Deus diariamente e a deixava na porta. Um dia se escondeu para ver quando Deus sairia para pegar a água e desse modo viu quando a divindade colocou o braço de fora para alcançar o balde. Deus se irou com isso e foi embora.

Muitos outros povos contam a queda do homem em termos muito próximos do relato de Gênesis. O homem pecou ao comer o que era proibido. Para os Pare (Tanzânia) o fruto proibido era o ovo, para os Chaga (Tanzânia) o nhame, para os Barotse (Congo) foi a carne dos animais que Deus dera como companheiros e não alimento, para os Mbuti da floresta de Ituri (Congo) foi o “tahu”. Já na etnia Fang (Gabão) o pecado original foi o orgulho do homem que se deixou encantar pela força e beleza que Deus lhe dera.

Em outros contextos, além do pecado encontramos contos messiânicos extraordinários. O povo Sonjo (Tanzânia) tem um herói nacional chamado Khambageu. Ele viveu entre os Sonjo fazendo milagres de cura e maravilhas, mas foi morto por homens maus. Ressuscitou e foi para o Sol e um dia voltará, antes do fim do mundo, para levar todos os que tiverem a sua marca. Por isso cada Sonjo recebe uma cicatriz no ombro esquerdo para estar preparado para a vinda de Khambageu. Vários outros povos africanos contam de crianças messiânicas que tiveram nascimento milagroso e que vieram ao mundo para acabar com o mal na figura de um monstro ou feiticeiro. É o caso do mito de Lituolone dos Basuto (África do Sul), de Mwindo dos Nyanga (Congo) e de Bagoumâwel dos Fula (Mali). Em todos esses mitos, a criança milagrosa vem ao mundo para vencer o mal, sofre morte atroz, mas renasce para ser vitoriosa e libertar o mundo.

Há histórias tradicionais comoventes como a que os Ila (Zâmbia) contam sobre uma mulher que queria ver a Deus. Inicialmente ela construiu várias torres para tentar chegar ao céu, mas em cada caso a madeira da base apodrecia antes de ela chegar a seu objetivo. Por fim ela resolve andar até encontrar o ponto onde o céu e a terra se tocam para achar o caminho até Deus. Ela nunca chega a esse lugar e morre sem solução. Dificilmente poderíamos criar um conto mais vivo para falar da inutilidade das nossas obras na busca da salvação.

Encontramos igualmente, inúmeras histórias morais na tradição dos povos, que servem para transmitir verdades sobre questões sociais diversas.  Na Guiné-Bissau onde trabalhamos, são comuns as histórias usando animais.  Um grande número delas usam como personagens principais o lobo (no caso guineense a hiena) e a lebre.  Nesses contos, o lobo (símbolo da força bruta) é sempre derrotado pela lebre (símbolo da esperteza) e desse modo se demonstra a superioridade da inteligência sobre a massa muscular. 

Os provérbios pictóricos também são úteis para ilustrar princípios vitais. “A tartaruga quer dançar mas não tem cintura” é um dito crioulo que explica que muitas vezes querer não é poder. “Janti i ka nada, tchiga ki tudu” (adiantar-se não é nada, chegar é que é tudo) é outro dito que ressalta a importância da finalização dos projetos. Outra maneira de colocá-lo em linguagem popular brasileira seria “Iniciativa não é nada, acabativa que é tudo”. Estes são apenas uns poucos exemplos de como contos e provérbios da terra podem ser usados pelo missionário.

O obreiro que souber procurar, certamente terá à sua disposição um rico arsenal de histórias, lendas e provérbios que podem ser utilizados para falar de verdades bíblicas. O seu uso o tornará simpático à população local, demonstrará sua valorização da cultura da terra e fará com que sua mensagem seja entendida mais facilmente. É uma excelente opção na busca da transmissão contextualizada da palavra.

                                               ( fim da primeira parte)

O segundo caminho a percorrer pelo missionário contador de histórias é o das histórias bíblicas. Não é por acaso que as Escrituras são repletas de histórias para ilustrar suas lições.

Num contexto de cultura oral e contos tradicionais, as histórias da Palavra se tornam mais vivas do que podemos imaginar. Provavelmente os ouvintes do missionário terão mais facilidade em compreenderem muitas dessas histórias do que o próprio obreiro. Tem sido essa a nossa experiência na África.

Quando falamos da luta entre Ana e Penina ou da rivalidade entre Raquel e Leia, as mulheres entendem perfeitamente, pois vivem num contexto de poligamia e sabem o que significa a luta por ter mais filhos que sua concorrente. Afinal, elas são valorizadas quase que unicamente como produtoras de crianças. As histórias que falam das atividades diárias, da agricultura e criação de gado ou que narram as lutas entre lideres tradicionais tocam poderosamente o homem e a mulher africanos e certamente em outros continentes também.

 O missionário sábio deverá aprender a buscar essas histórias e a basear suas mensagens nelas. Precisamos reavaliar nossa apreciação do antigo testamento pois ele esta muito mais perto das culturas a que ministramos do que de nossas culturas. O obreiro precisa desenvolver a arte de contar esses episódios de forma viva. Pode e deve contextualizá-los aproximando os relatos da realidade local. Quando se fala de frutas, animais ou fenômenos que não existem na região, será preciso adaptar. Será o caso ao se falar de ursos, videiras ou neve na África subsaariana. Ficará mais fácil passar o recado de Deus tendo em conta uma história bíblica do que tentando falar em princípios e conceitos abstratos.


O terceiro caminho que o missionário contador de histórias deverá trilhar é o da criação de histórias. Reconheço que aqui a natureza poderá ter dotado alguns de mais criatividade do que outros, mas a verdade é também que a criação de histórias é um processo que pode ser aprendido e exercitado e mesmo os menos imaginativos podem chegar a se tornar bons criadores de contos.  Ler livros de histórias tradicionais e contos clássicos e modernos pode ser útil para iniciar este processo e também encontrar idéias. 

O grande exemplo como sempre é o Senhor Jesus.  O Mestre criou algumas das histórias mais sublimes da literatura mundial. Episódios como o do Bom Samaritano ou do Filho Pródigo, merecem figurar em qualquer seleção de contos universais. Mas as estórias de Jesus eram simples e fáceis. Lidavam com os elementos do cotidiano, falavam de coisas conhecidas do auditório e levavam os ouvintes a conclusões inescapáveis.

Num estudo das parábolas, entendemos estão, que nossas histórias devem ser ligadas ao cotidiano. Afazeres domésticos, transações comerciais, atividades de lazer, particularidades da fauna e flora, relações familiares, questões entre amigos e conhecidos, acontecimentos recentes da vida local e nacional, tudo isso serve de material para ótimas histórias.

O missionário atento não terá dificuldade em retirar do cotidiano os episódios que ilustrarão suas mensagens e servirão de base à sua pregação. Além de simples, essas histórias deverão ter uma conclusão clara e fácil de guardar.  Assim como as parábolas ensinavam ,em regra, uma verdade central, as histórias do obreiro deverão ensinar uma única lição objetiva. Os ouvintes deverão ser capazes de entender da história não somente sua verdade mas também sua aplicação. Devem entender o que será preciso fazer com tal ensinamento. Aqui estará outro ponto fundamental deste tipo de transmissão da Palavra. A praticidade.

Vezes demais pregamos sermões excelentes, mas que deixam nossos ouvintes sem alteração. Foram brilhantes discursos, cheios de argumentação lógica e princípios valiosos. Porém, o auditório não sabe o que fazer com eles além de reconhecer que foi bom e bonito. O missionário deve ter alvos maiores que o elogio dos ouvintes. Não somos enviados a impressionar auditórios, mas a ganhar almas. A Palavra não nos foi dada para entretenimento nem informação, mas para transformação progressiva de vidas. A utilização de histórias, por serem práticas e vivas, leva o ouvinte a entender a aplicação e a saber onde poderá praticar o que ouviu.

Se ensinarmos sobre crer em Deus o crente sai do culto com a convicção de que precisa de mais fé, mas também que não sabe onde obtê-la. Se contarmos histórias de fé ele sai da igreja com idéias bem claras de como exercer sua fé. Se pregarmos sobre o amor cristão incondicional, o ouvinte percebe o quanto está longe de ser aquilo que a Palavra pede e pode concluir que isso é assim mesmo, uns amam mais que outros.  Se contarmos histórias de amor cristão em prática, o crente sai do culto com noções exatas de como poderá mostrar amor ao próximo.  Se pregarmos sobre a Ira de Deus e a necessidade de salvação poderemos levar o ouvinte à convicção de pecado, mas o deixamos sem saber o que fazer para se salvar.  Se contarmos histórias de pessoas que se converteram e como o fizeram damos ao ouvinte um guia para sua própria conversão. 

É a força do exemplo, é o estímulo da ilustração, é o poder da história.

_Lembram-se de histórias que ficaram na sua memória e que lhe ensinaram sobre Deus e a Salvação?
_Conhece bons contadores de histórias?

Voltar ao Blog anterior

BÁ, Amadou Hampâté. Kumen. Paris: Julliard, 1966.
__. Contes Initiatiques Peuls. Paris: Editions Stock, 1994.
FORD, Clyde W. The Hero with an African Face – Mythic Wisdon of
Traditional África. New York: Bantam Books, 1999.
MBITI, John S. African Religion and Philosophy. New York: Anchor Books,
1969.
_____. Concepts of God in África. London: S.P.C.K. 1999.

Nenhum comentário: